Sexta-feira, 2 de Setembro de 2005

- Os conflitos potenciais no ocidente europeu


Os conflitos
potenciais no ocidente europeu


( Gibraltar, Ceuta e Melilla, Olivença)



Não é possível agora
ignorar o facto. Há, no Ocidente Europeu, algumas feridas mal saradas,
algumas questões territoriais por resolver. Não se trata de grandes áreas,
mas quase sempre de pequenos enclaves ou de diminutas regiões, quase sempre
de grande valor simbólico.

A persistência de tais conflitos é, potencialmente, e no mínimo, geradora de
algumas incomodidades e situações embaraçosas. Eis por que urge trazê-los,
claramente, para a luz das agendas diplomáticas, onde poderão ser
equacionados mais racionalmente e ser “transformados” em soluções.

Mantê-los ignorados é conservar pequenas cargas explosivas dentro de portas,
prontas a ser detonadas a qualquer momento, ou, pior, no momento menos
oportuno. Urge, pois, equacionar tudo...de uma forma “civilizada”, mas
coerente e firme.

O Estado Espanhol mantém, há quase trezentos anos, a sua reivindicação sobre
Gibraltar, ocupado em 1703 e cedido à Grã-Bretanha em 1713. Uma
reivindicação constante, independentemente dos regimes que se têm sucedido
em Madrid, baseada na afronta da presença britânica no seu litoral (e num
ponto estratégico). E, já agora, em algumas violações de pormenor do Tratado
de Utrecht de 1713.

Com base nesta pressão constante, em nome da indivisibilidade da sua
soberania sobre o seu próprio território, a Espanha, sentindo-se humilhada e
considerando como artificial a situação étnica actual em Gibraltar, nega-se
a levar demasiado em consideração a opinião dos habitantes do pequeno
território. E não se intimida perante alguns factos, como a diferença de
níveis de vida, em relação ao qual se limita a projectos que salvaguardem o
dito nível, desde que não ponham em causa o essencial: a integração de
Gibraltar na “Mãe” Espanha.

Só por ingenuidade poderia Madrid pensar que Marrocos não olharia para Ceuta
e Melilla de forma semelhante. Mas, se a reivindicação de Gibraltar surge
nos “Média” a toda a hora, e é considerada como compreensível por quase todo
o Mundo, já o litígio sobre Ceuta e Melilla é muito menos falado.

A Acção marroquina em Perejil (Salsa)/Leila poderá ter sido pouco correcta,
pois o “gesto” podia ter resultado num conflito com vítimas, mas, pelo
menos, conseguiu fazer compreender à Espanha (e à União Europeia e ao Mundo)
, que um Estado não pode impunemente sustentar uma lógica reivindicativa num
ponto do Globo sem que a mesma lógica seja aplicada noutros pontos onde, à
primeira vista, a situação é comparável. Neste caso, contra o próprio Estado
que acena com a primeira reivindicação. Usando um provérbio português, “quem
tem telhados de vidro não atira pedras ao vizinho”. E, para Marrocos, Ceuta
e Melilla são os telhados de vidro de Madrid.

Já que Marrocos tem um papel importante nesta situação no Ocidente Europeu,
ainda que seja um país do Norte de África, convém não esquecer a questão do
antigo Sahara Espanhol, ocupado pelo mesmo Marrocos em 1975, à revelia do
Direito Internacional. Rabat tem, portanto, e também, talhados de vidro...


De qualquer forma, deve-se acreditar que, uma vez equacionados os problemas,
eles serão discutidos em local próprio, acabando por ser resolvidos.

Contudo, o Ocidente Europeu tem alguns outros problemas semelhantes aos já
referidos. Fiquemos só por um, que se liga a Portugal. Não se pode, por uma
questão de lógica e coerência, deixar de lado a questão de Olivença.

Será impossível, salvo por manifesta incompetência, que esta questão não
seja colocada. Olivença tem várias semelhanças óbvias com Gibraltar, sendo
mesmo bem mais clara a sua situação de Ilegalidade em termos de Direito
Internacional. Na verdade, violado por Madrid o Tratado de Badajoz logo no
ano da sua assinatura em 1801 (ocupação de parte do Concelho de Juromenha),
e outras vez em 1807, tendo em linha de conta as recomendações e conclusões
do Congresso de Viena de 1815, aceites por Espanha em 1817 (para só citar as
datas principais, e considerando que, em duzentos anos, Portugal se tem
sempre negado a reconhecer Olivença como parte de Espanha, não se compreende
como Portugal, seja qual for o seu Governo, poderá deixar de chamar a
atenção para tal problema. Se o não fizer, estará a por-se em causa a si
mesmo, ou a sua capacidade para ter interesses próprios e legítimos na cena
internacional, num problema fronteiriço “directo”.

Do ponto de vista histórico, nem sequer faltou, em Olivença, uma acção
contínua da Espanha, com destaque para a época franquista, no sentido de
despersonalizar a população local, com repressão, falsificação/omissão da
História, alterações na realidade étnica, e outros procedimentos análogos.


Não se tratará de um problema maior , dirão muitos. Todavia, existe. A sua
resolução, por vias diplomáticas, não implica atrasos na resolução de outros
problemas, como o do desenvolvimento económico ou o da distribuição de
riqueza. A sua não resolução, em contrapartida, ou apenas a falta de vontade
para se tentar a sua resolução, demonstrará uma grande falta de princípios,
de vontade, de crença nas capacidades do País, de personalidade enquanto
Nação. Poderá significar que o que vai mal em Portugal é muito mais profundo
do que se pensa, e que a falta de autoconfiança e o “déficit” de amor
próprio em terras lusas estão a progredir num sentido perigoso para a
própria existência de Portugal.

Olivença é um problema político, cultural, e diplomático. Outros aspectos a
ele ligados, como problemas económicos ou jurídicos, podem ser resolvidos
com negociações, talvez tomando muitas vezes como referência as
considerações que forem surgindo a propósito do problema de Gibraltar.

Não se pode, como alguns comentadores o fazem, considerar como “pouco
civilizadas” todas e quaisquer reivindicações territoriais, sem se
considerar como incivilizadas situações de ocupação ilegal ou de legalidade
dúbia.

Ser civilizado só pode significar resolver os problemas de forma pacífica,
negociada, democrática. Não pode significar abdicar do que é justo. Não pode
significar permanecer calado perante ilegalidades, falta de lógica,
clamorosas dualidades de critérios. Isso não é civilização, é comodismo,
que, claro, não conduz a resultados positivos, mas tão somente à aceitação
de tudo o que se quiser “impingir-nos”, mesmo as mais flagrantes injustiças,
sejam elas económicas, políticas, diplomáticas, sociais, ou outras.

Poucos quererão ser civilizados (?) dessa forma. Nenhum país responsável e
digno o quererá.

Vamos, pois, neste Ocidente Europeu, talvez também no Norte de África,
equacionar com lógica e civilizadamente os problemas que surgem.

Para não se hipotecar o futuro!


Estremoz, 01 de Agosto de 2002

Carlos Eduardo da Cruz Luna


Olivença é Portuguesa editou às 14:58

link do post | comentar | favorito
11 comentários:
De Anónimo a 11 de Setembro de 2005 às 04:21
Blog muito interessante sobre uma causa não menos importante. Parabéns.Coração
</a>
(mailto:)
De Anónimo a 9 de Setembro de 2005 às 22:30
Já estão devidamente divulgados no meu blog, vou-me informar melhor sobre Olivença, tenho conhecimento, mas minimamente. Continuem. Saudações Nacionais.

http://lusitania88.blogs.sapo.ptSoldado_Lusitano
(http://www.lusitania88.blogs.sapo.pt)
(mailto:ssoldado_lusitano@aeiou.pt)
De Anónimo a 8 de Setembro de 2005 às 04:18
Apáticos; Entre dois homens que se encontram, um faz a pergunta o outro fica sem resposta. Chegando ambos à conclusão, que nada tinham a dizer um ao outro... Mas aqui existe sempre a resposta porque a sedução nunca se esgota.

SaudaçõesFriedrich
</a>
(mailto:)
De Anónimo a 8 de Setembro de 2005 às 02:48
e a gente de olivença quer ser portuguesa? devem aachar que os espanhois são loucos... E nós queremos aquilo para quê? será que olivença tem petróleo? gas natural? ouro? diamantes???euzinho
</a>
(mailto:eu@eu.com)
De Anónimo a 7 de Setembro de 2005 às 23:11

Por Olivença
Os políticos portugueses conhecem as causas que travam o crescimento de Portugal. Sabem que Portugal pode crescer mais que a Espanha por ser unitário enquanto a Espanha é uma federação insegura que precisa de um Rei para manter os reinos unidos; é tão insegura que teme o efeito dominó se devolver Olivença.
As outras Nações Ibéricas não esquecem que a monarquia sediada em Madrid não pode sintetizar as monarquias excluídas das suas nações.; isso é um problema latente que não tem solução. Portugal não tem essa idéia perturbadora. Madri sabe que paira nos ares a rejeição do enxerto incompatível. Será por isso que Castela quer garantir-se em Portugal através de investimentos nos setores principais de produção, comunicação e Banca? Parece que a monarquia castelhana quer silenciar os lusíadas; a voz lusitana e o lusitanismo que sempre os incomodou. A ajuda da Espanha só serve para atrapalhar; é nitidamente mal intencionada. Em qualquer parte do mundo o vizinho mais próximo é sempre um perigo; o que baixa a guardo é sempre engolido. Castela pensa muito em União Ibérica; sempre a desejou e nunca vais desistir. Não vai conseguir! A federação Ibérica só é possível sem Rei, e o centro administrativo também não poderia ser nem Lisboa nem Madrid.
Eu não quero acreditar que os políticos portugueses recebam mensalão para não reclamarem Olivença e aceitarem o início da volta á Espanha em bicicleta partindo de Lisboa; isto mais o fechamento do jornal- O Comercio do Porto- é afronta e deboche que gera antagonismo perigoso. O partido governante não sabe administrar. Atualmente um País é uma Grande empresa que precisa de bons vendedores e compradores que sabem escolher os fornecedores; sem esses está aberto o caminho da falência, A incompetência dos últimos governante é tanta que nem conseguem segurar os consumidores portugueses que compram na Espanha;não entendem nada de concorrência Cuidado com a Espanha que pode ter um fim igual ao da Iugoslávia .Precisamos de vigiar e investigar. Vamos ser autênticos; a gentileza é a capa da mentira que os corruptos usam para ludibriar.
bernardolopes@superig.com.br

Bernardo lopes da Rocha
(http://http;//lopesdarocha)
(mailto:bernardolopes @superig.com.br)
De Anónimo a 4 de Setembro de 2005 às 17:30
Amigo António
nada temos contra os diverso povos de Espanha, Castelhanos, Galegos, Bascos, etc. etc. Mas Olivença é uma questão nacional e não podemos deixar de nos bater por ela...Olivença é Portuguesa
(http:\\porolivenca.blogs.sapo.pt)
(mailto:Olivença@sapo.pt)
De Anónimo a 4 de Setembro de 2005 às 17:30
Amigo António
nada temos contra os diverso povos de Espanha, Castelhanos, Galegos, Bascos, etc. etc. Mas Olivença é uma questão nacional e não podemos deixar de nos bater por ela...Olivença é Portuguesa
(http:\\porolivenca.blogs.sapo.pt)
(mailto:Olivença@sapo.pt)
De Anónimo a 4 de Setembro de 2005 às 17:30
Amigo António
nda temos contra os diverso povos de Espanha, Castelhanos, Galegos, Bascos, etc. etc. Mas Olivença é uma questão nacional e não podemos deixar de nos bater por ela...Olivença é Portuguesa
(http:\\porolivenca.blogs.sapo.pt)
(mailto:Olivença@sapo.pt)
De Anónimo a 3 de Setembro de 2005 às 16:42
Desde España os digo que no queremos que Portugal sea una provincia Española. Respetamos mucho la independencia de Portugal. El conflicto de Olivenza es el mismo que tenemos los españoles con el Reino Unido sobre Gibraltar. Yo creo que es mejor que dejemos las cosas como estan, por el bien de las relaciones entre nosotros.

P.D.: Estuve en Lisboa en la Eurocopa 2004, y me lo pase muy bien. Los portugueses fuisteis muy amables con nosotros.Antonio
</a>
(mailto:none@none.com)
De Anónimo a 3 de Setembro de 2005 às 11:26
Creio que não esta vassalagem toda feita por os nossos políticos a Espanha é vergonhosa. Estou convencido que Portugal e Espanha podem ter relações diplomáticas sem inveja, sem medo.

Mas como o governo de Madrid vê que o governo português amara-se, claro, aproveita ... Porquê que Portugal têm que se por de joelhos na frente da Espanha ? Finalemente, não passarémos mesmo de uma provincia espanhola ???Doctor Z
(http://olivenca.blogspot.com/)
(mailto:doctor.z@free.fr)

Comentar post