Sexta-feira, 7 de Dezembro de 2007

Lacunas da memória

AS LACUNAS DA MEMÓRIA NOS 200 ANOS DAS INVASÕES FRANCESAS



Recordam-se, neste ano de 2007, os duzentos anos das Invasões Francesas. Eis algo que, esperemos, dê azo a grandes reflexões sobre a História de Portugal.Tefiro-me a uma História sem complexos. Porque, neste campo. continuam a existir muitos complexos.

Um deles reside no facto de pouco se falar na revolta popular generalizada do povo português contra o ocupante gaulês, em 1808. Ela foi geral, e percorreu quase todo o País. O problema é que teve aspectos considerados bárbaros para os meis sensíveis. E, como no seu ódio contra quem pilhava e roubava Portugal se viam como inimigos também os ideais liberais, a História, escrita principalmente por liberais, vitoriosos em 1820, e definitivamente em 1834, resolveu falar pouco disso.
Bastará ler alguns livros, pouco citados e quase nunca reeditados, para compreender o que foi um povo em fúria a lutar contra um ocupante opressor e contra os seus colaboradores "internos". è o caso da "História Geral da Invasão dos Franceses em Portugal", de José Acúrsio das Neves. Ou de "El-Rei Junot, de Raul Brandão".

Dir-se-ia que algumas elites apanharam um valente susto. E, pelos vistos, ainda não se sentem à vontade com o tema. Ao ponto de investigadores estrangeiros pensarem que não houve revolta.
Houve, sim. Cega, reaccionária porque contra tudo o que o invasor representava, desumana com excepções pontuas. O que não se pode fazer é História (com "H" maiúsculo) omitindo o que não convém. Esperemos que os duzentos anos façam algo para recuperar este passado. Que poderá não ser bonito, mas que existiu, e foi uma manifestação colectiva, das mais importntes da História do Povo Português.

Outro complexo está em deliberadamente esquecer o que se poderá considerar como uma pré-invasão francesa. Há até quem lhe chame Primeira Invasão francesa. O "caso" passou-se em 1801, e anvolveu uma invasão espanhola, manobrada por Paris. Dela resultou a ocupação de Olivença... curiosamente, o último vestígio palpável de toda aquela época, uma vez que subsiste um conflito diplomático até hoje.

A História é simples. A Revolução Francesa, de início, é bem aceite em Portugal, salvo pelo Poder. Mas, com as Reformas democráticas, e principalmente com o início da Expansão francesa, as coisas mudam. A morte do Rei Luís XVI lançou o pânico. Toda a Europa se coligou contra a França. Neste contexto, Portugal vai participar, em 1793, como um exército auxiliar da Espanha, nas, tantas vezes esquecidas, Campanhas do Rossilhão e da Catalunha. É nessa altura que surge Manoel Godoy, "primeiro-ministro" de Espanha. Em plenas campanhas, assina a Paz com a França (1795), ganhando o título de "Príncipe da Paz". Todavia, Portugal foi esuqecido pelo seu aliado. Continua, teoricamente, em guerra com a França. Abre-se, até 1801, um período de uma complexidade extraordinária. Portugal procurava a paz, usando a Espanha como medianeira, mas em vão. A partir de 1799 mais se complica a situação portuguesa. Napoleão procurava alargar o Domínio Francês. Em 1801, Bonaparte, nomeia um exército para invadir Portugal, sob o comando do general Leclerc.

Godoy, todo poderoso em Espanha, viu na invasão de Portugal uma oportunidade de brilhar ainda mais (?),e convence Napoleão a deixar que seja ele a comandar a invasão do Alentejo à frente de um exército espanhol. Os franceses ficaram estacionados ao longo da fronteira, em Ciudad Rodrigo.

Esta invasão, denominada Guerra das Laranjas, para muitos não é mais do que a primeira invasão francesa. Quase sem luta todo o Alentejo, mesmo porque havia a sensação de que se estava a lutar por "estranhos ao conflito", como "carne para canhão". As negociações de paz em Badajoz, levaram à devolução de todas as Praças a Portugal, salvo Olivença. Nestas negociações estavam, também, representados os franceses, que se sentiram defraudados, e negaram-se a subscrever o texto. Este apresentava lacunas várias, que Portugal considerou depois conduzirem à sua nulidade. Como disse Pinheiro Chagas, o tratado de Badajoz quebra-lhe «nas mãos a arma de que se estava servindo nas suas negociações com a Inglaterra».

Perante isto, é natural que muitos considerem a invasão de 1801 como a primeira invasão francesa. O que é indesmentível é que a "Questão de Olivença" está ligada a este período da nossa História. O que muitos continuam a esquecer, a omitir, e negar (?), mas principalmente a desprezar.
Esperemos não ter de esperar mais cem anos, enquanto povo, para ver estas questões tratadas com verdade e sem complexos....

Estremoz, 26-Novembro-2007
Carlos Eduardo da Cruz Luna

 

Olivença é Portuguesa editou às 16:25

link do post | comentar | favorito
|

Defendendo Olivença

Em defesa do português Oliventino

Olivença back to Portugal

pesquisar

 

Grupos por Olivença


Grupo Yahoo Olivença

Grupo Olivença é portuguesa (MSN)

Blogs por Olivença


Jornal de Olivença

Olivença é Portugal

Solidários a Olivença


Sonho Alentejano

EU acredito em Portugal

Viver Livremente

Beja

Um bolíndri na tarrafa

Sites por Olivença


Grupo dos Amigos de Olivença    

Olivença,Olivenza    

Zolmer Xu Homepage    

PORTUGAL LIVRE

Foruns por Olivença


Forum Olivença     

Forum Defesa

Sobre Olivença

Lacunas da memória

Olivença mensal

Abril 2010

Dezembro 2009

Junho 2009

Maio 2009

Janeiro 2009

Agosto 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Dezembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Estou no...








Estou no Blog.com.pt

E você, blogaqui?

:: Portal dos Sites :: Clique Aqui ::
blogs SAPO

subscrever feeds

tags

todas as tags